A colaboração vem ajudando pequenos produtores à vender orgânicos em Porto Alegre

1 Flares 1 Flares ×

Por Adeli Sell*

Há pouco foi inaugurada uma loja de produtos orgânicos na Ceasa, em Porto Alegre. A maior parte dos insumos, livres de agrotóxicos, adubos químicos ou substâncias sintéticas que agridam o meio ambiente, vêm da Serra. Este empreendimento é fruto da ousadia daqueles que acreditam no trabalho coletivo, abrindo, assim, espaço para o consumo de alimentos saudáveis e por preço justo.

Não vejo outro futuro que não seja o da economia criativa, colaborativa, focada na sustentabilidade. Apostando no oposto, seremos consumidos pela barbárie. Colaboração na produção, na intermediação e nas compras coletivas, mais confiança entre produtor e consumidor e maior controle de qualidade.

Assim como os agricultores se uniram, buscaram parceiros para intermediar sua produção para estar nas gôndolas da Ceasa, é imprescindível que na cidade haja união dos consumidores, para compras coletivas.

Não houvesse esta loja, muitos produtores deixariam de produzir; acabando os produtos orgânicos. Consequência disto, por óbvio, seria mais veneno na mesa. Sem esta economia colaborativa, os produtores sucumbem ao mercado predatório.

Este negócio é de fato colaborativo, pois, repetimos, junta produção, intermediação e consumo e deve incentivar outros empreendimentos colaborativos. Em Porto Alegre, no IV Distrito há várias iniciativas colaborativas, com uso compartilhado de espaços.

Aqui, começa a vicejar uma economia criativa, na base de um marco colaborativo. A economia de competição, num mar revolto de tubarões vorazes cede lugar a uma nova economia, onde vai se impor o compartilhamento e a colaboração.

Fonte – Sul 21

Link – Clique aqui 

Luiz Renault – Rent For All BR

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 1 Email -- 1 Flares ×
· ·


Artigos & Comentários relacionados